Banner Submarino

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

[ENTREVISTA] Melina Souza

Hoje a nossa convidada é mais do que especial. Se você ainda não ouviu falar de Melina Souza, posso te garantir que está perdendo muito, e que não vai demorar nadinha pra começar a ouvir o nome dela por aí.
Essa carioca começou a mostrar seus textos pro mundo lá na NRA em 2008, e segundo ela mesma é, "graças a NRA, escritora, compositora, dramaturga e acreditadora". Fala se não é uma fofa? Esse ano, dois de seus contos foram publicados em antologias da Editora Andross, e é claro que estamos imensamente orgulhosos dela. Então puxamos a Melina pra um bate-papo sobre essa história de ser escritora! Confere aí!

1) Como descobriu que o que queria fazer da vida era escrever? E como foi lidar com a decisão de ser escritor e do trabalho?

Com cinco anos eu fiz um livro de poesias pra minha mãe. Não era grande coisa, tinha mais recortes do que palavras, mas acho que isso já indicava alguma coisa... Com o tempo, o gosto pela literatura só cresceu e escrever se tornou algo natural, necessário. E quem gosta de escrever gosta de compartilhar o que escreve. Claro que é difícil estudar e trabalhar, e me manter como escritora ativa, mas eu tento. Vamos ver aonde a maré vai me levar!

2) Quando contou a sua família como eles reagiram?

Todos me apóiam, acham muito bacana que eu escreva, mas ninguém acredita que eu possa fazer disto minha profissão. Tanto que alguns por exemplo nem lêem o que escrevo. Em geral eles acham que é um hobbie bacana, mas o que move o mundo é o dinheiro. Ainda vou provar que eles estão errados, rs.

3) Sabemos que terminar um livro é algo muito difícil. Como é o seu processo de escrita? Escuta algum gênero específico de música, ou prefere ficar em um local reservado, só você e o computador? 

Eu também concordo que é muito difícil, tanto que tenho várias histórias inacabas. Tipo inúmeras mesmo! Eu não tenho um processo específico, muitas coisas diferentes me inspiram, então às vezes escrevo ouvindo música. Mas às vezes preciso de um silêncio sepulcral. Já escrevi contos inteiros no meio da sala de aula, e já escrevi também na varanda de casa no meio da madrugada. Enfim, bateu a vontade, eu estou lá escrevendo.

4) E o processo de publicação, como foi?

Eu pesquisei na internet editoras que publicavam antologias literárias, e encontrei a Andross. Eles tinha várias sinopses de antologias que eles iriam publicar, e eu enviei alguns textos meus para que eles pudessem talvez entrar nessas antologias. Eu mesma não acreditava muito, tanto que esqueci até mesmo da minha inscrição! Mas recebi um e-mail de retorno dos organizadores das antologias, que me explicaram todas as etapas. Tive que investir algum dinheiro na publicação, mas acho que foi bem gasto. Não é sempre que a gente realiza um sonho!
"Corações Entrelaçados" é uma das antologias com participação da Melina

5) Você possui algum escritor ou escritores em quem você se inspirou para prosseguir seu caminho? Se sim, quais?

A Thalita Rebouças é para mim (e acho que para muitos, rs) um exemplo do reconhecimento que eu gostaria de ter como escritora, no Brasil.  E a tia Meg Cabot é minha favorita! rs Mas olha o paradoxo: na hora de escrever, me inspiro lendo livros de Stephen King, Machado de Assis e Lygia Fagundes Telles. Tudo haver não?

6) Como você analisa o apoio a literatura nacional atualmente?

Acho fraco, como todo apoio à cultura em geral no Brasil. Faço teatro social e vejo como é pouco reconhecido e valorizado o mercado cultural brasileiro. Falta incentivo do governo e conscientização da população. É melhor dar “Pão e Circo” ao povo do que fazê-los pensar. Então, tudo isso se reflete também na literatura nacional. As editoras preferem arriscar nas vendas de algo que já se comprovou de sucesso, do que em algo inédito. E os leitores (como os brasileiros em geral) supervalorizam o estrangeiro. Enfim... Acaba virando uma bola de neve.

7) Se sua vida fosse um programa de televisão que estilo seria? E qual seria o nome?

Sem dúvida seria um seriado. Eu gostaria que fosse como Glee, e eu pudesse sair por aí cantando quando desse vontade; Ou como um seriado antigo chamado “Edição de Amanhã”, em que o cara salvava as pessoas porque recebia um jornal com o que iria acontecer no dia seguinte. Mas minha vida está mais mesmo para uma sitcom chatinha chamada “Essa ordinária vida”, rs.

Ela também publicou um conto na antologia "Névoa"


8) Café, chá ou Coca-Cola?

Qualquer, desde que bem gelado. Bebidas quentes queimam minha língua!

9) Se pudesse morar em um lugar que só existe em livros, qual seria? Hogwarts? Panem? Terra Média?

Pergunta difícil... Talvez Nárnia.

10) Imortalidade é algo cobiçado por muitas pessoas. Se você tivesse a chance de viver para sempre como seria? Vampiro? Lobisomem? Tomaria o elixir da vida eterna? Ou algum outro secreto? E como conviveria com a decisão de ser imortal?

Eu e uma pessoa, uma vez, brincamos sobre o assunto. Seríamos deuses gregos. No início seria legal, teríamos tempo para ler todos os livros do mundo e seríamos super sábios. E belos! Porém, em algum momento seria chato. E não gostaria de ver pessoas amadas morrerem. Então, acho que ser imortal não é lá assim uma coisa muito bacana não.

11) Você conseguiu ser milionário com seus livros. E agora? Viajar? Comprar um pequeno reino na Europa? Ir para o espaço?

Só queria uma casa rústica de madeira no meio de uma floresta, perto de um lago e com uma bela paisagem (de preferência alguma em que eu pudesse ver um trem passando). Alguns cachorros e cavalos, uma boa companhia. Talvez um campo de papoulas e girassóis. E uma biblioteca igual a da Bela, de “A Bela e a Fera”!

Comente com o Facebook:

11 comentários:

  1. Adorei a entrevista! Mas ainda estou esperando alguém que responda "Reino na Europa" para eu poder dizer "eu também"! -q

    ResponderExcluir
  2. Nossa, dá um orgulho de ver a Melina dando entrevista, representando a literatura nacional... E ainda mais por termos a companhado durante essa caminhada rumo a publicação. Parabéns, Melina! E que venham muitos outros livros e histórias!

    ResponderExcluir
  3. Gente, que fofa!
    Amei a entrevista.

    ResponderExcluir
  4. hahahaah nem é meu sonho: Só queria uma casa rústica de madeira no meio de uma floresta, perto de um lago e com uma bela paisagem (de preferência alguma em que eu pudesse ver um trem passando). Alguns cachorros e cavalos, uma boa companhia. Talvez um campo de papoulas e girassóis. E uma biblioteca igual a da Bela, de “A Bela e a Fera”! hsuahsuahsua :P

    Adorei a entrevista!
    Deve ser bem chato isso da familia apoiar e tal, mas achar que na verdade é só um passando :(

    Torço pra que vc (vcs escritores em geral) consigam provar o contrário!!

    Beeeijão!

    ResponderExcluir
  5. .


    Será que roubaram, mesmo,
    o carro dele ou foi caô?

    Saibam mais no meu Blog.

    Beijos,

    silvioafonso







    .

    ResponderExcluir
  6. Ótima entrevista Melina!! Torço muito por vc e seu futuro profissional seja ele como uma escritora e/ou engenheira :D

    ResponderExcluir
  7. Que entrevista linda *-*
    Nem acredito que cresci com essa menina .
    Parabens Mel

    ResponderExcluir
  8. Gostei muito da entrevista, as perguntas estavam boas e as respostas igualmente. Ser escritora não é fácil que bom que ela conseguiu. A capa do primeiro livro é muito linda.

    Bjs, @dnisin
    www.seja-cult.com

    ResponderExcluir
  9. Mel, gostei muito da entrevista. Vou ler o livro e tenho certeza que irei adorar.
    Bjs

    ResponderExcluir